Insira o seu endereço de e-mail para subscrever a mailing list

Início / Coord de Missão / Artigos

MÊS USERA 2013

 

PREGÃO

  O Amor de Deus encarnou na terra, surgido das profundidades do Espírito, um dia de Primavera, na terra fértil de Usera. 

Amor de Deus, Pentecostes, língua, fogo e vento, soprando numa nova criação.

E foste tu, Jerónimo Usera, o que acolheste o dom de Deus, para ti e para nós, para a Igreja e para o mundo, e para um milhar de gerações. 

E tu, Congregação, grão e colheita, na moagem triturada, sempre aberta aos amplos horizontes, que te abriu o teu Fundador. 

Nascida, Congregação, para acolher, curar, educar, acompanhar, alentar e amar, amando, deixando sempre pegadas de amor de Deus.  

Congregação peregrina, sempre em busca de novas sendas, escrutadora dos tempos, buscadora de novas respostas, e sem medo nas encruzilhadas da história. 

Voz profética em cem tempos, e num milhão de espaços, na Europa, em África, em Asia e na América, na terra e no céu. 

Congregação convertida em louvor ao teu senhor, porque em ti como em Maria, Ele se fixou na tua pequenez e fez maravilhas e na tua pobreza descobriste a tua riqueza. 

Ele fez da tua força, entrega, doação e gratuidade, e o amor de Deus se fez chamamento, seguimento, fidelidade e compromisso e ainda mais, carisma, missão e encarnação.  

Se no passado foste grão triturado, hoje, Congregação, és colheita magnífica em centenas de Irmãs que souberam acolher o dom em milhares de dezenas de destinatários que por ti souberam o que era o amor de Deus. 

Presente feito de crianças, jovens, mulheres e pobres aos que servir e aos que amar e junto ao teu ramo consagrado, centenas de leigos chamados hoje para partilhar uma vocação, um carisma, uma espiritualidade e uma missão. Umas na vocação religiosa e outros no mundo, mas todos filhos de Jerónimo peregrino e marinheiro. 

Amanhã em eternidades sem fim, dom perene dado pelo senhor à sua Igreja, por sempre e para sempre, desde Toro até aos últimos confins do tempo, até ao fim de todos os espaços conhecidos, até ao fim de todos os sonhos concebidos pelo homem, até ao mais ilimitado de todos os amores: O amor de Deus.

Amor de Deus, ontem presença inesperada. Amor de Deus, hoje, atualidade em plenitude. Amor de Deus, amanhã, possibilidade e futuro, mas sempre milagre de amor. 

Ontem, hoje e amanhã, nunca interrompido carisma que atravessa as gerações, mas sempre novo e renovado, saído do Pentecostes e com o olhar sempre no senhor para assim poder dar no crepúsculo da história a oferenda feita serviço, entrega e amor de Deus.