Insira o seu endereço de e-mail para subscrever a mailing list

Início / Entre nós / Fragmentos de santidade

Irmã Maria das Dores Lopes

 

A Irmã Dores Lopes, que partiu para a Casa do Pai a 16 de Abril de 2010, deixou um sentimento de saudade a todos aqueles que com ela conviveram.

A Irmã Dores era uma Irmã cheia de zelo pelo Reino e por toda a Missão desenvolvida pela Congregação.

Tinha na oração e na Eucaristia a sua grande força e prezava muito a formação, nomeadamente a Congregacional. O tempo, para ela, tinha valor se fosse aproveitado ou a trabalhar ou a rezar. E como gostava dos momento de adoração ao Santíssimo!

Não perdia uma oportunidade de aconselhar as Irmãs em Formação Inicial e de as motivar à fidelidade à sua vocação. Preocupava-se muito com qualquer atitude que visse nas Irmãs e que, na sua perspectiva, pudesse denotar desânimo ou menos entusiasmo. Então redobrava a sua oração e pedia pela fidelidade e perseverança de todas.

Gostava de falar do Venerável Padre Usera às jovens e, sempre que tinha oportunidade, entregava-lhes folhetos vocacionais ou o postalito com a oração ao Fundador.

Conhecemos-lhe todas o grande zelo missionário e o entusiasmo com que até ao fim da vida falava da sua experiência em Moçambique, onde passou por cinco Comunidades.

Nos anos em que as forças lhe começaram a faltar, continuava a sentir-se missionária através da entrega ao Senhor da sua limitação e sofrimento e, claro, através da oração.

Manifestava muito carinho e respeito pelos Sacerdotes e pelo Santo Padre. Rezava muito por eles, para que o Espírito Santo os assistisse e fossem fiéis à sua missão.

Pouco dias antes de partir, a Irmã Dores teve consciência, pois o manifestou a algumas Irmãs, de que a sua passagem pela Terra estava prestes a terminar. No entanto, permaneceu serena e em paz. A sua grande fé permitiu-lhe viver a cruz com naturalidade e sem dramas.

O Mistério de Deus, que tantas vezes mencionava, já lhe foi desvendado.

Irmã Dores, agora, que já conheces a grandeza do Amor de Deus, intercede por nós, para que aprendamos a amar.