Insira o seu endereço de e-mail para subscrever a mailing list

Início / Entre nós / Fragmentos de santidade

Irmã Maria dos Anjos

A figura e a sabedoria da Irmã Maria dos Anjos, ficarão, certamente, e por muito tempo, na retina e na memória de muitas gerações de Irmãs, como marca indelével.

Não era uma Irmã com currículo académico, mas era uma sábia que, em qualquer momento nos confrontava com as grandes questões existenciais, filosóficas e teológicas. A sua conversa prendia-nos e levava-nos a questionar: donde lhe vem tal sabedoria?

Trabalhadora incansável, contribuiu, e em muito, para alimentar gerações de jovens que passaram pelo Noviciado, na Casa de Retiros, em Coimbra. Trabalhava de "sol-a-sol", na Quinta, e, graças a ela, sempre havia hortaliças, legumes, fruta, ovos…

De aspecto rústico, até pelo facto de trabalhar de enxada na mão, era, no entanto, muito delicada, sensata e com um grande sentido de oportunidade.

Se pressentia que alguma atitude, gesto ou forma de vestir, de alguma Irmã, podiam ser interpretado pelas outras pessoas, como falta de educação ou de modéstia, imediatamente alertava, para que se tivesse cuidado.

Quando já não podia trabalhar, preocupava-a poder ser um peso para a Congregação. Tinha um sentido de pobreza que chegava a ser exagerado. Considerava-se imerecedora dum presente; de vestir uma peça de roupa melhor, e que no seu parecer era um "luxo"; de que tivessem com ela certos cuidados, como por exemplo, na questão da alimentação…

Era muito pontual aos actos Comunitários, mesmo quando isso lhe acarretava esforço, devido à tarefa que desempenhada e que a obrigava a mudar de roupa, ao voltar da Quinta e ao regressar à mesma.

Falava com entusiasmo do tempo que passou nas Missões, em Angola, e gostava de contar factos que experienciou.

As suas conversas, quase sempre rematavam com um: "Olha, nós não sabemos nada, Deus é que sabe tudo. Ele é que sabe o que tem valor e o que não tem."

Durante os últimos anos da sua vida, a Diabetes veio a limitá-la muito e a privá-la quase totalmente da visão. Ela porém, conformava-se com o que considerava ser a vontade de Deus.

Irmã Maria dos Anjos, que no seio do Pai descansas já de todas as tuas tarefas, pedimos-te que continues a zelar pelo bom nome da Congregação e para que todas as Irmãs do Amor de Deus dêem bom exemplo, como tu tanto gostavas.

Judite Fernandes