Carta dirigida ao Pe. Usera

Leigos Amor de Deus em Peregrinação

Querido Pe. Usera,

Que grande e bonito encontro nos preparaste no passado fim de semana.

Saímos da tua casa do Porto (Colégio Nossa Senhora de Lourdes), no sábado de manhã bem cedo, partindo em direção a Espanha, onde pelo caminho nos encontramos com os nossos irmãos leigos do grupo de Guimarães. Seguindo viagem, chegamos a Puebla de Sanábria, onde as tuas filhas, nossas irmãs aí residentes, nos tinham preparado um verdadeiro banquete de amor e bem receber, acompanhado de algumas iguarias locais que nos deram energia para começar a nossa “rota useriana”. Quanto amor cabe naquela casa tão pequena e singela. É sem dúvida uma casa Amor de Deus.

A tua filha, a Ir. Maria del Carmen Dias, residente em Puebla, deu-nos o prazer e o privilégio da sua presença nesta jornada, onde nos guiou. Recordarás certamente que foi pelas mãos da Ir. Maria, quando era superiora geral da tua maior obra, que chegaste ao local onde agora repousas, refletindo a tua luz para o mundo, a partir da tua casa de Toro.

De Puebla partimos para Pedrazales, onde após a exclaustração, te refugiaste com dois dos teus irmãos cistercienses, e aí desenvolveste um esmerado trabalho pastoral, tão rico e frutífero, que ainda hoje é recordado pelos filhos dessa terra, que de geração em geração perpetuam o teu nome. A Ir. Maria recordou-nos no interior daquele pequeno templo, onde tantas vezes pregaste e ministraste, a vida de austeridade, simplicidade e pobreza em que viveste aquele forçado “exílio”.

Aproximando-se a hora de almoço achamos por bem parar junto do Lago de Sanábria. Que belo e majestoso cenário! Esperamos que tenhas apreciado tanto como nós aquela refeição onde todos partilharam o que levamos. Contudo, a maior partilha foi sem dúvida o convivo entre os irmãos e o entusiasmo e excitação com que estávamos a trilhar aqueles caminhos, tantas vezes calcorreados por ti, na difusão do Evangelho.

Terminado o repasto, seguimos para San Martín de Castañeda. Do primitivo mosteiro, onde estudaste na tua juventude, já pouco resta. Vítima da barbárie humana, hoje apenas existe a igreja e pouco mais. Todavia, a tua presença é ainda viva e sentida no local, onde para nosso gozo e gaudio especial, vimos a tua imagem num quadro, onde és venerado junto ao retábulo do altar-mor.

Partimos então para mais uma localidade por onde deixaste a tua marca: Pedralba. Ali naquele local, ouvimos pela última vez naquele dia o precioso contributo da Ir. Maria del Carmen Dias, na senda dos teus caminhos. A nossa irmã Maria recordou mais uma vez das privações e dificuldades que passavas para levares o Evangelho pelos longos quilómetros de caminhos sinuosos e agrestes das serranias de Sanábria. Porém, para ti querido Pe. Usera, tudo isso fazia parte da tua missão, era a continuação dos votos que anos antes havias feito aquando da tua consagração religiosa.

Após deixarmos a Ir. Maria Dias de volta à sua comunidade rumamos à meta, onde tudo começou, onde está a génese e o coração da família Amor de Deus: Toro.

Creio, que ao vislumbrarmos a Casa Fundacional ninguém se lembrou do cansaço e fadiga que carregava, após um dia inteiro de viagem e constantes paragens em diversos locais. Ali estava o nosso verdadeiro destino; ali estavas tu Pe. Usera, nosso pai fundador, naquele local onde a tua presença é mais sentida do que em qualquer outro local do mundo; ali estavas tu de braços abertos para nos receber e a querer fazer de nós os teus “dilatados horizontes”. Que tempo maravilhoso aquele em que estivemos mais fisicamente perto de ti, naqueles momentos de oração que nos enchem a alma e ao mesmo tempo daquela “adrenalina”, que só quem vive o momento é capaz de sentir e compreender.

Preparas-te tudo ao mínimo pormenor neste final de semana, onde nos guiaste por alguns dos caminhos da tua vida. Até a leitura do Evangelho, que ouvimos na eucaristia dominical, na igreja de San Julián, nos aludiu à tua vida. A constante chamada de atenção que o Senhor nos faz, sobre a incompatibilidade de “servir a Deus e ao dinheiro”, onde tu na tua exclusividade e dedicação a Deus, nos indicas sempre o melhor caminho. Que com o teu exemplo possamos ver em cada homem um irmão, afirmando como Jesus: «Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a põem em prática.»

Menciono várias vezes ao longo do texto, “a tua casa” daqui e dali. Pois onde há uma presença da congregação, aí resides tu. Mas também resides no coração de cada irmã, leigo ou outro que acolha a tua mensagem. O mesmo que dizer que quem te traz no coração tem sempre presente consigo a misericórdia e o infinito Amor de Deus.

Obrigado por estes dois dias incríveis. Já esperamos com ânsia pelo próximo encontro!

Venerável Pe. Jerónimo, rogai por nós.

Que o Amor de Deus reine nos nossos corações. Assim seja.

João Teixeira

(Membro do MSAD do Porto – Grupo Usera ConVida)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Share on email
VEJA TAMBÉM

SIGA NAS REDES SOCIAIS